Minha raiva do ser humano

Em toda uma existência nesta terra eu pude perceber que algumas pessoas fazem muita questão de nos prestigiar com sua habilidade em falar merda. Fazem tanto esforço, mas tanto esforço, que você acaba não acreditando que está ouvindo aquilo da boca de uma pessoa. De um ser humano. São essas e outras que me fazem ter muita raiva do ser humano.

Há tempos atrás eu acreditava na humanidade. Eu acreditava que um dia nós iríamos perceber o que estávamos fazendo com o mundo e pararíamos de fazer. Daríamos “pause” em nosso modo destruição e entraríamos em um loop infinito de bondade e humanidade, mas isso está muito longe de acontecer.

Vejam bem, quando falo “destruição”, nem estou querendo falar do modo “destruir plantas e árvores até que o mundo seja só poluição e caos”. Eu, particularmente, acho quase impossível que a destruição das reservas naturais vá acabar com a vida do homem. Acredito, bem como tem sido provado TODO ESTE TEMPO (embora você, cristão que é, irá duvidar) é que os nossos corpos evoluem. Nossos corpos se adaptam da maneira que precisamos. Isso tem sido feito por décadas, duvido muito que de repente isso pare de acontecer. Portanto, se a taxa de oxigênio cair drasticamente no mundo, eu acredito que nosso corpo irá se adaptar àquela situação. Mesmo que passemos a respirar puro gás carbônico, eu ainda acredito que nosso corpo achará uma forma de utilizá-lo para nosso bem. Pode demorar. Muitos poderão morrer no processo, mas acredito que isso acontecerá.

Sendo assim, quando falo em modo de destruição, quero dizer o modo de destruição de ambiente. De convivência. De “humanidade”, por assim dizer. Animais vivem como selvagens e ainda assim possuem sua própria sociedade. Deve existir algo irritante no mundo das jaguatiricas que equivalha (?) ao nosso “funkeiro/roqueiro/crente ouvindo música no ônibus”.

Humanos são bichos escrotos e todo dia tentam se superar em suas idiotices. Hoje vi uma notícia de um pai que colocou a filha de castigo DURANTE 9 ANOS, trancada dentro de um banheiro. Imagine isso. Imagine que você é um pai, sua filha faz uma merda qualquer e aí você decide, dentro dos seus padrões do que é certo e errado, que a melhor maneira de castigar ela, além do fato da vida já ter castigado o suficiente dando você como pai, é trancá-la no banheiro da casa por 9 anos. Legal, né?

Outro dia vi uma notícia mais chocante. Não era nada tão direto assim. Era uma coisa simples, por assim dizer. Um caminhão de uma marca famosa de refrigerante havia tombado em uma das ruas aqui do Rio de Janeiro. Segundo o jornal, as pessoas que moravam na região logo se aglomeraram ao redor do caminhão. Vou dar o benefício da dúvida para você, ok? Vamos lá. Das alternativas abaixo, quais dela você ACHA que foi a realizada pelos moradores das redondezas.

a) Todos foram ao caminhão para tomar banho de refrigerante;

b) Todos foram ajudar o motorista que sofreu o acidente, tadinho;

c) Todos saquearam o caminhão e levaram os refrigerantes para suas casas, afinal, caiu na rua é deles.

Vou te dar um tempo para pensar…

 

 

 

 

 

 

 

 

….

 

 

Tá. Agora que já deu sua resposta, veja com seus próprios olhos a resposta.

Pois é. Essa é a humanidade que temos.

Aí você para. Olha bem pra foto. Fica avaliando os motivos e não consegue entender porque alguém sai de sua casa, larga tudo que está fazendo e vai até um caminhão detonado na estrada para pegar uma garrafa de refrigerante e virar em si mesmo. Por qual motivo alguém faria isso? A que nível chegou a estupidez do ser humano que além de querer se dar bem em TUDO, consegue se desvencilhar dos princípios básicos da convivência humana para se tornar menos que um animal, menos que uma bactéria. Para se tornar apenas um amontoado de carne acéfala.

Não é o fato de estarmos em um mundo falido que nos faz agir como tais. Não é porque “todo mundo é corrupto” que devemos agir da mesma forma. Será que em nenhum momento isso vai mudar?

Hoje vejo os protestos da internet, em relação ao SOPA e ao PIPA e fico pensando “Cara, esse é o nosso mundo?”. Um mundo onde o protesto contra a censura na internet é o máximo ofensor para nós. Onde todo dia políticos roubam, pessoas estupram as outras dormindo, onde nego lava dinheiro na nossa cara, onde pagamos impostos e não vemos NADA acontecendo na cidade e ninguém faz nada. Onde todo mundo reclama da passagem de ônibus ter aumentado incrivelmente mas o máximo que se faz é trocar o avatar do facebook por uma roda de ônibus e pronto. O pior é que isso é um câncer do Brasil. Meses atrás vimos ditadores caindo, vimos regimes de total censura ser dilacerado pela união do povo, enquanto no Brasil temos uma ditadura disfarçada de “bons moços” e todo mundo continua acenando para o político enquanto ele enfia a mão no teu bolso e leva tua dignidade. Porque dinheiro a gente recupera, mas dignidade, depois de roubada, é difícil para reaver.

Sonho com um dia onde largaremos os computadores/celulares/torradeiras e iremos às ruas, protestar pelo que realmente vale a pena. Ou se for pra protestar contra a censura na internet, que seja da forma correta, lutando. Enquanto nós baixarmos nossas cabeças diante do governo, ele saberá quem está no poder. Ou botamos nossas máscaras e vamos às ruas, ou desligamos nossos monitores e nos damos 1 minuto de silêncio, pela morte da nossa dignidade, pela morte da nossa humanidade. Luíza já voltou do Canadá, e nós NUNCA seremos inteligentes.

Anúncios

12 comentários

  1. Garanto que tu não é a única que se surpreende com a quantidade de asneiras que algumas pessoas dotadas de cerebro conseguem soltar! Engraçado como isso independe da idade, Independe também o ato de apontar o dedo julgar e condenar as pessoas pelo simples fato de existirem e não estar dos padrões corretos para quem tem a pachora de julgar! Sabe quando isso vai mudar? Nunca!!! Infelizmente, 99% da populaçao tem o dom se serem monopolizados, fantochados -se é que essa palavra existe – pela TV, internet e querem mostrar o ultimo modelo de celular adquirido!

    Essa do caminhão não fiquei sabendo… mas estou aqu pensando:” desde quando se toma banho com refrigerantes?” e confesso que errei a resposta! Chutei na última alternativa! E realmente a Luiza voltou e continuamos fadados a sermos fantoches da humanidade!!!!

    1. Olá “Ju”. Como vai? Fico feliz de que tenha vindo até aqui e tenha se sentido à vontade para comentar o texto. Fico bem feliz mesmo.

      Seu comentário sobre o fato da ignorância ser indepentende é bem interessante, porque realmente é verdade. TODAS as pessoas têm a oportunidade de serem pessoas melhores e 99% delas ignora essas oportunidades.

      No mais, volte mais vezes e tome um chá conosco.

  2. Caro Van, não o conheço, nem sei como és, mas estou com uma baita inveja de ti…

    Calma, é “inveja do bem”. A razão é simples: gostaria de ter escrito esse texto. Perfeito, combina exatamente como penso. Só uma ressalva: acredito que nós, brasileiros, sejamos mais incivilizados do que outros povos. E não me refiro aos europeus ou asiáticos, povos antigos, mas comparo também com nossos hermanos da América. Parece que nossa sociedade se vangloria de ferir a ética e se gaba de ser “esperta” burlando a moral e o bom senso.

    Só lamento que percebo nas tuas linhas que se abateu sobre você a mesma desesperança que já se tomou conta de mim. Mas existe um alento: você parece ser mais jovem do que eu. Ainda há muito o que você tem a percorrer. Lute, brigue, mobilize-se. Talvez ainda tenha jeito…

    Abraço,

    Robson Teixeira.

    1. Robson, fiquei muito feliz em ver um comentário de tamanha educação. Sabe como é, estou acostumado com a internet, onde a maioria das pessoas saem por aí xingando e arremessando pedras sem nem perguntar nada antes.

      Mesmo sendo favorável ao meu discurso, fiquei feliz com a qualidade de seu comentário.

      Quando li seu comentário eu pensei “ele não está falando isso”. Depois reparei melhor e li o “incivilizado”, aí sim concordei com você. E no nosso caso, nem o tempo há de melhorar o que temos. Somos um povo ignorante. Acho muito difícil que isso mude assim, sem nenhuma revolução nem nada. O problema é que revoluções aqui sempre possuem cunho político ou de benefício próprio. Ninguém luta por justiça.

      E sim, você está certo, esta desesperança realmente se abateu sobre mim. Vamos mantendo o papo, pelo visto tenho muito a aprender com você. Quem sabe não nos encontramos nas revoluções por aí, não é?

      1. O que é isso, companheiro? Educação e polidez devem existir sempre, principalmente quando existem divergências. Sei que muitas vezes as pessoas agridem, xingam e desrespeitam as outras pelo simples fato delas discordarem. Essa é a “regra”. Mas não ajo assim. às vezes me destempero, tenho o pavio curto. Mas muito diferente do “padrão nacional tupiniquim”. Concordei com você porque nosso povo é incivilizado. Mas quando discordar (e isso vai acontecer), vou defender meu ponto de vista dentro da civilidade, sempre o respeitando. Mas vou logo avisando, sou chato pra caramba, vou tentar mudar seu posicionamento até o esgotamento. rsrsrs. Abraço.

      2. Mas isso é incrível. Não vejo problema algum em discordar dos meus argumentos e apresentar melhores para que eu me convença do contrário. Opiniões foram feitas para serem mudadas. Aprecio muito uma boa discussão e adoro um bom debate. Seja bem vindo para discordar, concordar, criticar e tudo mais que se sentir livre para fazer.

        Um abraço e volte sempre.

  3. fantastico todo seu discurso,lembro-me de um dia ter tido essa forca e lideranca,mais sinceramente vi pessoas revolucionarias assim,humanos d fato que aparentemente repudiava humanos mesquinhos e todos os outros adjetivos q tu ja disse no texto,se comportarem de maneira mt semelhante ao q ele sentia-se inojado,prazer em ver alguem chorar so pra ter certeza do sentimento,so pra verificar se era mutuo,ou por mera inseguranca… depois d certos pontapes da vida em mim foi implantado o chip do faca o melhor d si e aguarde pra ver se o fdp do seu “irmao” ira fazer o mesmo. nao adianta evangelizar pq no fim vc ganha um bjo no rostinho e ainda vai pra cruz.

  4. Pois bem…quando alguém (ou mais do que apenas um alguém) tentar fazer algo de concreto, o que acontece?? Veja o destino do movimento Occupy pelas cidades mundo afora…mas nem precisa ir tão longe: você se lembra dos episódios ocorridos na USP ano passado, não se lembra? O que aconteceu mesmo? Ah, sim…fomos taxados de bandidos, maconheiros, mimadinhos, rebeldes dsem causa e outras tantas asneiras, por gente que nem sabe do que se trata! Para completar, fomos devidamente evacuados numa operação digna de Swat, com 400 policiais, helicópteros, centenas de viaturas e toque de recolher *rs*. Tudo isso com a população devidamente aplaudindo o circo/cerco opressor, como não poderia deixar de ser, LÓGICO! 😉 Sei lá, cara, eu pensava como você, mas depois de outros episódios e, mais especificamente, este…é de se pensar 400 bilhões de vezes antes de dar a cara a tapa. Para você ter noção de como a coisa anda brava, meus protestos uspianos desta vez se resumiram a um email para uma pessoa importante, Orkut, Facebook (como de tantos outros) – coisa que, segundo você, é inocente, não serve para nada e nem faz diferença alguma. Pena que os policiais que visitaram meu perfil no Orkut não pensem da mesma forma *rs* Nem quem me expulsou da comunidade da USP no Orkut. Pena que o reitor também não pense como você, nem o governador, e nem o Retardado Azedo da Veja, que fez questão de cair matando a pau num professor da Filosofia e mais ainda na carta que a Associação Juízes para a Democracia soltou na internet defendendo os estudantes e sindicalistas da universidade.

    1. Janus, tudo bem? Fico feliz que tenha vindo opinar nesta discussão, mas o caso apresentado por você é um pouco diferente do caso apresentado no texto.

      Existem dois pontos importantes no seu texto, um deles eu concordo plenamente e ainda complemento, o fato de pessoas baterem palmas para “notícias”. Acontece que é muito difícil pensar, hoje em dia. Na verdade, criou-se o mito que é difícil pensar. Houve uma época em que o Jornal Extra estava sendo pressionado pela polícia a dizer de onde eles haviam conseguido uma determinada gravação que não era de domínio público. No dia seguinte ao anúncio de que a polícia iria correr atrás disso o Jornal Extra publicou um vídeo de uns 2 ANOS antes que estava “esquecido” e alguém resolveu denunciar, dando ao Extra o poder sobre o vídeo. O vídeo se tratava de policiais matando a sangue frio uma vítima que, aparentemente, era inocente.

      Sabe o que era mais engraçado? Toda a população ficou horrorizada com o vídeo (e deveria mesmo) e acabou ignorando que o vídeo ter aparecido de repente foi mera coincidência. Será mesmo que não teve nenhuma ligação com o fato da PM ter tentado ir contra o jornal? Sabe o que aconteceu? Ambos os casos foram esquecidos.

      No segundo ponto você diz que esteve na USP e foi retirada (o) (não entendi bem se vc era homem ou mulher) de lá e depois procurou se manifestar através das redes sociais.

      O meu ponto de vista sobre a inutilidade das manifestações na internet é quando ocorre escondido atrás de um discurso vazio, quando alguém muda apenas o avatar do perfil e acha que está fazendo um enorme bem para uma causa. É sobre esse tipo de manifestação que falo.

      As redes sociais podem ter uma relação muito boa com manifestações reais, o problema é que na maioria das vezes fica só no repasse de imagens de “protesto” no Facebook e em seguida faz o que todo cidadão brasileiro sabe fazer muito bem: ESQUECER.

      Mais uma vez agradeço sua visita e o seu comentário.

      1. Triste esse caso que você contou, hein…e isso é o que a gente fica sabendo…imagine o tanto de porcaria encoberta (quando não pelo governo ou pelas polícias, pela imprensa), nem temos noção!!!

        Ah, sim, me desculpe, tinha entendido equivocadamente sua mensagem! Realmente, essa coisa de só mudar avatar e ficar por isso mesmo é ridículo e absolutamente inútil…quando me manifesto nas redes sociais, aqui nos blogs – na internet, em geral! – procuro argumentar, debater, e não fico só nesse tipo de lenga-lenga que você mencionou…

        SE BEM QUE, por outro lado, é melhor ver as pessoas se manifestando de alguma forma (mesmo que seja dessa forma simbólica e inócua dos avatares) do que completamente apáticas e de braços cruzados. Sim, elas estão de braços cruzados, mas de repente o ícone que colocam no perfil de repente podem fazer com que algum desinformado tome conhecimento daquilo, vá procurar se informar e, este sim, de repente vá às ruas. Achei exemplar o caso desse rapaz, que, ao contrário da maioria das pessoas, não teve aquela atitude de “não sou aluno da USP, não tenho nada a ver com isso”….pelo contrário, ele foi se informar do que estava acontecendo de fato e ainda por cima foi apoiar na avenida: http://janusaureus.wordpress.com/2012/01/04/falha-faz-a-reportagem-que-a-folha-nao-fez-o-que-voce-nao-ve-na-midia/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s