Mira, respira e bate.

Sabe a loja que contei onde morei por algum tempo? Por um bom tempo dividimos nosso espaço de vida entre a loja e a casa onde minha irmã mora agora. Um de nossos maiores passatempos forçados era caminhar da loja para a casa e da casa para a loja. Como sempre tive muitos irmãos (ou você achou que eles só surgiram agora, depois de velhos?) nós nos reuníamos em grupos para subir e descer o morro em qual se localizava a casa. Para chegarmos até ele tínhamos dois caminhos: um sem graça e com casas mais sem graças ou um com barrancos, árvores, cachorros loucos e frutas com gosto de inferno quente como a Índia. Por onde vocês acham que nós íamos?

Tenho muitas lembranças deste trajeto de aventuras e emoções que fazíamos, algumas deixaram rastros até hoje. Literalmente.

Apesar de todo o trajeto ser repleto de barrancos, árvores, cercas elétricas e coisas legais para brincarmos, uma das casas era especial em nosso rumo. Uma casa imensa, de esquina e repleta de árvores e espaço para nossa prática de mini arvorismo.

Era nessa casa que se localizava o melhor pé de jamelão (jamelãozeiro?)do universo, com seus milhares de “jamelãos” caídos no chão implorando para que fossem pegos, limpos e comidos. Não fazíamos isso por passar fome (pescar rã era, mas jamelão era por diversão mesmo), fazíamos porque era o que um grupo de crianças faziam na infância, diferente de hoje que gente com 11 anos precisa trabalhar para pagar pensão se não quiser ver sua mãe ser presa.

Um detalhe muito legal dessa casa e que permanece registrado em minha memória é que lá foi o primeiro lugar na minha vida em que eu provei jenipapo. A experiência por si só já daria um post inteiro. Se você nunca comeu, leia o parágrafo abaixo que ele te elucidará sobre o gosto do “jenipapo”.

Éramos bem pequenos, então não tínhamos problema nenhum em subir em árvores, por maiores que elas fossem. A árvore do jenipapo era uma árvore muito grande. Muito grande mesmo, quase não dava pra ver o chão por causa das folhas abaixo de nós. Subíamos com facilidade na árvore, nos acomodávamos e pegávamos uma fruta daquela que não sabíamos o gosto. Eu nunca tinha ouvido falar de jenipapo e a aparência dela não era das melhores mas jambo (tinha um pé de jambo em casa, então eu sabia como era) também não tinha uma boa aparência e era gostosa. Peguei uma das frutas e levei até a boca para saborear aquela dádiva divina.

Sabe quando você está mexendo com muitas folhas de papel e uma delas corta seu dedo? Imagina agora que esse papel que cortou seu dedo estivesse descendo pela tua garganta e cortando-a enquanto faz o caminho até seu estômago. Então, foi mais ou menos esta experiência que tive quando comi jenipapo. Se a morte pudesse ter um gosto, seria semelhante ao gosto de jenipapo.

20110923-220851.jpg

O cachorro era mais ou menos assim

A última lembrança dessa “Sessão da Tarde” infantil era de que nesta mesma casa havia um cachorro cego e louco. Daqueles que latia para um lado enquanto você passava pelo outro. Por mais furioso que ele fosse, ele nunca conseguia saber onde estávamos.

Nunca me perguntei como ele havia ficado daquele jeito, até que eu soube.

Um dos meus irmãos, anos antes de comermos jamelão daquele pé, foi solicitado a levar uma panela de casa para minha mãe. Seja lá o que ela quisesse fazer com a panela, a forma como ela foi entregue impossibilitava o uso da mesma. Diante dos questionamentos da minha mãe do porque a panela estar “com uma cara de cachorro esculpida” meu irmão foi bem enfático em dizer: “sabe aquele cachorro preto que avança em todo mundo? Então, eu passei lá e ele veio para cima de mim. No desespero eu bati com a panela nele e ele voltou chorando para o canto dele”.

Meu irmão não sabia disso naquela tarde, mas ele estaria facilitando nossas vidas e nossas estripulias muitos anos depois daquilo. Graças a uma bela panelada que ele deu no coitado do cão raivoso…e agora cego.

20110923-221108.jpg

Ainda bem que minha mãe não pediu para ele levar uma faca

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s